Pesquisar este blog

domingo, abril 22, 2007

Corpo que me queira

Quero quem me queira
Você me quer?

Rabisco a vida inteira
Também quer?

Corto trepadeira
E saio andando
Vem me amando?

Fico na geladeira
enquanto você esquenta a frigideira
Posso continuar falando?

Salto do prédio
Você cai do trapézio
Alguém ficou paraplégico?

Procuro na agenda um consolo
Quem me consola?

Gasto sola e gasto o choro
Quem me acompanha?

Apanha
Apanha

Ligo e fico sem resposta
Pra onde vai o esporro?

Esporra
Esporra

Chamo pra um amaço
E recebo o abraço
Pra onde vai o ventre?

Fica afastado

Eu falo que o Falo não fala, se manifesta mudo
Mas você sente.

Quero quem me experimente
Quem me dismistifica?

Corpo que me queira me faça contente

Solto, solto
Solteiro
Agora posso ser Ribeiro, Pinheiro, Oliveira, Silva, Pereira, Silveira, Siqueira, Garcia
Podia

Sou do mundo vagabundo
Vaga
Anda
Corre
Socorre
Me
Alguém?

Salada de frutas proibidas
É o que me ocorre

Sacode e me mostre o charme
Entusiasta
Agito o que me comove
Prove?

Tem jabuticaba madura no pé
Livre de dono
Cheia de abandono

Quero quem me queira

Quer me levar pra casa?
Vamos morar em Paranapiacaba?
Quem me consome?

A vida
A maravilha
A sapatilha de bailarina
A simpatia feminina
A inteligência sem apatia
Ou um belo par de peitos
??????

Um belo par de bundas
Quem me quer?
Aceito duas

Precavio o precário
Sou mais inteligente
Só aceito bom papo

E bom cheiro
E bom recheio
E bom amaço
E bom bocado de tempero
Doce e delicado
Quero quem me respeite

Quem pode ser essa maravilha?
Quem me quer?
Quem me quer?
Quem quer?

Rasgar a seda
Gastar a sede
Ceder na rede
Prender na parede
Emendar no chão
E subir na cama
Dizer que me ama
Gemendo me chama
Rasga a seda
Gasta a sede
Cede na rede
Prender na parede
Se jogar no colchão
Rasgar a seda
Beber a sede
Cantar na rede
Desnuda o corpo
Violão no chão
Violar o corpo
Ponto de fusão

E tudo evapora no fogo

Logo, transformação

Rogo
Quero quem me queira
Você me quer?

Pau pra toda obra

Prova pra todo aluno da vida
Recuperação

Pego a professora
Pego a cdf
Pego a redentora
Pego a mequetrefe
Pego a cantora
Pego a dançarina
Pego a pobrinha
Pego a mordomia
Pego a apatia
Pego a solidão
Pego a alegria
Volta a saudade
Pego por brincadeira
Volta seriedade
Pego por pegar
Solto por não suportar
Pego porque agarro
Machuco porque forço
Porque pego sem querer pegar
Me engano

Pego por ter-me sentido querido
Vacilo
Não nego

E tudo vira bossa depois da fossa

Para tanto me preservo e digo a Deus
Adeus
A quem me dispensa
Digo sabe o que perdes
A quem me convença eternidade
Digo não digas o que não sabes
A quem me prometa devoção
Digo não abras mão da sinceridade
A quem me detém companheirismo
Arrisco não dizer nada e pago a primeira lágrima
Derramada por saber que não existe

Avoar
Avoo
Sinto o ar nos meus cabelos
Da minha pele exala o cheiro
Atrai
Com meus olhos aproveito a paisagem
Escolho
Meus ouvidos são todo ouvido
Pra qualquer tipo de barbaridade
Plano nas nuvens acima da humanidade perto dos Deuses perto dos mortos
Desço na terra e ando
Andando sinto o mundo no tato dos pés
Revés moribundo
Com flores pra entregar

Quem as quer? São rosas, orquídeas, tulipas
As minhas preferidas
Não quero mais andar com margaridas
Quem as quer?

Quero quem me queira
Você me quer?
Você me quer?
Você me quer?

Você
Me quer?

Um comentário:

Desconhecido disse...

e quem nos quer queremos? Ou queremos somente quem eu quiser?
Um pedido de socorro, um também esporro, coisa de amor do outro, coisa de correspondência maldita, coisa de relações aprisionadas em falsas seguranças.....deixe avoar o amor e avoe quem sabe não se encontrem no ar! Quem sabe onde vá parar!