Pesquisar este blog

sexta-feira, dezembro 16, 2005

Corpo da Ponta do Dedão



Segue o círculo em sua aventura redonda, pelo mundo redondo, que nos circunda. Segue o eixo que nos ergue; giramos em sua cabeça ou é a sua cabeça que nos gira? Segue o círculo em sua alegoria de eterno retorno, de começo no fim e fim como recomeço. Segue o caminho que o meu olhar traça, transa do olhar sobre o seu jeito de me aceitar. Sigo enganando que sou de dança, que sou de circo, que sou músico, que sou performer, sigo enganando que sou multi. E por seguir enganando sou um bom ator. O que vale é ser bom artista. Também engano que sou poeta e que sou bom de cama. Engano que sou humano e que sou normal. Tenho minha digital no dedão, na íris e na arte. Ninguém faz da minha e não faço da de ninguém. Só me inspiro, tenho referências. Mas imprimo a minha identidade, o que me deixa estar bonito. Assim o círculo se amplia e se fecha em si mesmo.

Texto escrito na folha sacanneada acima a algumas angústias atrás...

Um comentário:

Nei Gomes - Com medo de ser feliz... disse...

E assim vamos...
Nessa espiral que inspira. Símbolo lindo, infinito segundo alguns... A cobra que morde o próprio rabo... Mas se ela se come tb se caga e aí começa td de novo.
Assim somos, nos comendo, nos cagando.
Se saímos, voltamos?
O circo (re)arma na mesma praça?
Vou? Fico? Volto?
Ai avião... pq me deixa tão palhço na frente dos outros, espero nessa espectativa que seu caminho não seja reto e sim espiralado, pra voltar a comer e a cagr no mesmo lugar.

Aí vai minha decisão: Eu vou! Eu salto!

Bjos pros que ficam aqui, mas vão no coração.