Pesquisar este blog

terça-feira, fevereiro 15, 2005

O Corpo Falso do Homem Sem Limites

Por essas e outras que digo que gato miou, cachorro latiu e o homem faliu a rica esperança de Deus em seu projeto de mundo perfeito.
Sobre isso digo pouco, porque o que falo é o pouco que foge entalado do saturado ego frouxo de gente nova no pedaço.
Pouco se fala, nada pouco se pensa, muito se transforma e comprime o que cria o artista. E deprime o que cria a criatura pois é sublime aquilo que desfragmenta. Aquilo que aparenta é falsa menta e o sabor é falsa fruta. O mundo perfeito é falso mundo, o corpo falso do homem sem limites. O corpo platônico, o corpo de Jesus de Nazaré, puro e hipócrita por quem o descreve. A gente tenta ser gente e esquece que bixo também somos. Esquece de latir mas lembra em avançar sobre a ordem sem lugar num espaço a sumir.

Os colibris cantam enquanto o canto fica rouco da euforia enérgica dos homens.

Um comentário:

Ângela disse...

Moreco, eu te amo!